20070719

erva da boa

bom para a conversa e para a solidão, o chimarrão é um jogo de empatia e intimidade entre (quase) todos gaúchos

revista vida simples, edição: julho de 2007 - por fabrício carpinejar

vamos gervear? o convite pode parecer estranho e mais estranho seria tentar adivinhá-lo. mas não é nenhuma proposta indecente. gervear é matear, chimarrear, verdear, amarguear, apertar um mate ou simplesmente tomar um chimarrão. o chimarrão é quase uma religião no sul do país. tão ligado ao gaúcho que, quando ele viaja, costuma chegar a uma nova cidade de “mala e cuia”, literalmente. o mate funciona como um ritual para dentro, da solidão, e, ao mesmo tempo, para fora, da solidariedade. natural enxergar na cidade de porto alegre gente solitária na varanda tomando mate, como quem fuma um cigarro e olha o movimento, ou nos parques, passando a cuia entre os amigos, como quem reparte bolachinha recheada. o músico regionalista neto fagundes avisa que isso hoje é uma cena comum. nem sempre foi assim. a chaleira do campo foi substituída pela térmica, essencialmente urbana, a partir dos anos 70 e 80, com a invasão de jovens do interior para estudar e trabalhar na capital gaúcha. (o escritor luis fernando veríssimo brinca em o analista de bagé, sucesso humorístico dos pampas, que o êxodo dos gaúchos iniciou após a invenção da térmica.)


estimula e tonifica

diurético, o chimarrão é um concorrente da cafeína. não se toma chimarrão e café simultaneamente. um ou outro, alto lá! se houvesse tarja no mate, estaria escrito “atua como estimulante do coração e do sistema nervoso, elimina os estados depressivos e tonifica os músculos contra a fadiga e o cansaço”. não é apenas água e erva, tem complexo b, cálcio, magnésio, sódio, ferro e flúor. alimenta mesmo, por mais verde e extraterrestre que seja. na sangrenta guerra do paraguai (1864 a 1870), por exemplo, o general francisco da rocha callado conta que o exército brasileiro alimentou-se exclusivamente de chimarrão durante 22 dias. “as pesquisas sobre o chimarrão estão iniciando seriamente agora. revelam que a bebida tem antioxidantes, também presentes no badalado chá verde (chinês), e que produz um leve efeito contra a coagulação no sangue, como a aspirina”, diz o cardiologista fernando lucchese.

é compreendido ainda como antídoto do excesso de carne. de acordo com o psicanalista mário corso, responde como meio mais eficaz para hidratar e equilibrar o gaúcho, flor de carnívoro, que costuma se atolar nos espetos corridos.

espécie de chá manso, como define o escritor luís augusto fischer. propício tanto à reflexão como à roda de amigos. suas ferramentas são simples, constituídas de cuia (a cabeça do porongo decapitado) e bomba (de prata é a melhor; várias famílias gaúchas têm a peça com bocal de ouro, uma jóia que fica curiosamente na gaveta dos talheres). retirada da erveira, planta que atinge a altura de 6 a 8 metros e similar a uma laranjeira, a erva-mate cobre dois terços da cuia. botando menos, é mate comprido. botando mais, é mate curto. a água a ser posta deve estar quente, não fervida, pois pode queimar a erva e infundir gosto infeliz de pneu queimado. lição que o francês viajante saint hilare, em sua passagem pelo rio grande do sul, em 1820, absorveu: “a cuia tem capacidade de mais ou menos um copo, é cheia com erva até a metade, completando-se o resto com água quente. quando o mate é de boa qualidade, pode-se escaldá-lo até dez ou 12 vezes sem renovar a erva”.


velho de guerra

deu para perceber a antiguidade do chimarrão. sua utilização é pré-colombiana, foi alimento básico dos índios guaranis, teve o desenvolvimento de sua cultura pelos jesuítas da companhia de jesus, que transformaram a erva em comércio e exportação de 1610 a 1768. chegou a servir como pagamento, o que fez significar “cheio de erva” como “cheio de grana”.

aos observadores incrédulos, deve-se concluir que não há mistério, é beber e pronto. ledo engano. o chimarrão é um tabuleiro, com regras, educação e simpatias. convide os colegas para jogar. o que errar está desclassificado. não se pede um mate, o mate é oferecido. uma forma de converter um estranho em amigo. é uma deferência e sinal de respeito. o tradicionalista glênio fagundes estabelece uma comparação muito bonita no livro cevando mate. A roda de chimarrão evoca o moinho de vento, ponto de encontro para perguntar ao interlocutor “quem ele é, de onde vem, o que quer, quando vai?”

cuidado: não se entrega o mate ou se recebe com a mão esquerda. ao se enganar, diga: “desculpe a mão!” só o cevador (o preparador do mate) tem a licença para arrumar e mexer na erva. não adianta fuçar a bomba ou ajeitála por conta própria, mesmo que o chimarrão esteja entupido e não saia nada mais que ar. devolva ao dono que ele arruma. o primeiro a tomar é também sempre o que fez. para mostrar que está bom e, de modo nenhum, envenenado (risos). o segundo mate partirá para o mais velho ou alguém a se prestar uma homenagem. a cuia segue no sentido anti-horário, do lado direito (o lado do “laçar”) em diante, de volta ao cevador. perderá pontos, isso é importante, se você não roncar a cuia. é preciso tomar a água até o final, senão é descortesia. não agradeça na hipótese de continuar na roda. é entendido como uma despedida ou ­ pior ­ um jeito polido de dizer que o mate não estava agradável, provavelmente frio e com a erva lavada. não obstrua o ritmo do círculo, ficando com a cuia à maneira de um copo vazio à espera do garçom.

nem tudo é flor de erva. em fatos e mitos sobre sua saúde, o cardiologista fernando lucchese sugere a quebra de um dos mais sagrados mandamentos da cultura gaudéria em nome da higiene e prevenção. sua observação se refere à mania da cuia de circular de boca em boca. “seria preciso lavar o bocal com a própria água quente. Basta um participante ter herpes labial, que transmitirá aos demais.”

conforme lucchese, o chimarrão pode causar gastrite e esofagite, pela composição da erva ácida e água quente. está relacionado ao câncer de lábio, esôfago e de língua. na década de 70, cidades fronteiriças do rio grande do sul mostraram alta incidência desses casos em comparação às taxas do país. a garrafa térmica ­ novamente ela! ­ diminuiu os riscos.

além do ritual se prestar para rodadas animadas de papo, fofocas e conversas postas em dia, é um ato de reflexão e um mergulho na serenidade. nenhum demérito preparar o mate sozinho. pelo contrário, o verdadeiro mateador é o que não depende de estímulos externos e visitas. “é uma hora para botar as idéias no lugar, refletir sobre o que foi feito no dia anterior, fazer a pauta do dia que se descortina, uma hora para pensar calmamente, para ter aquela paz sem a qual não entendemos as coisas nem criamos nada”, avalia corso.

tradição passional, o chimarrão é como uma prova de iniciação, de batismo de fogo aos interessados em ingressar na cultura gaúcha ou recuperar espaços dentro de si. atividade dos extremos, à semelhança de um grenal (grêmio versus inter), está carregada de exageros e superstições. os que não partilham o costume sentem uma ponta de culpa e se penalizam. um exemplo é o escritor luis fernando veríssimo. no alto de sua reputação unânime, confessa: “acredite ou não, não sei que gosto tem chimarrão. concordo, eu deveria ser expulso do estado”.

tag | labels

cultural 2012 humor flagrantes da vida real brasil arte brisa link tupiniquim homem música amor profundo tech brasileiro mulher relação agora sabedoria clássico alx hoera sexo vídeo natureza hype design dica são paulo piada agentegosta vida bizarrices gay história curiosidades hit loveland auto-ajuda de bolso atualidades alex hoera lyrics tempo gringo grana vergonha alheia 2011 desenho política preconceito 80s amizade moda INSIGHT animação eco somos nozes clichê nerd 420 governo alx LISTA sp exposição ... me gusta zeitgeist festa erva saúde love art filme sustentabilidade pmsp drinks poema poesia auto-promoção árvore animais ayahuasca celebridades cultura ritual bagaceirice imagem do dia motivacional photo violência slow food água fingindo naturalidade reciclagem tv geek paz índio família old's cool sex novidade criativo humano mundo teste palavra natural televisão 350 beck polícia tecnologia cvida drama religião sincronicidade #EuSouGay drogas 350.org carnaval cinema vintage acontece movie desenhos lenda lindo photoshop rehab texto homofobia luz polêmica sensibilização tendência trampo war artistas espírito futuro music índia acessibilidade anorexia belo contato nada se leva sensacional triângulos alex fake hiep hiep hoera achado crianças incrível passado planeta relax sol 11:11 ajuda alma chico xavier francisco cândido xavier praia viagem viajar arnaldo jabor ação bacana clima colaborativo curta daniel guarda desabafo ecologia lap to dance original pensamento prefeitura ronaldo show som utilidade verde viva yoga pela paz UMAPAZ climão meio ambiente rainbow spfw terra transexual transformação urbano amigos aquecimento global beijaflor colaboração colorido danger mistura urbana peculiar projeto social quiz raul reflexão rio de janeiro rotina socioambiental teatro trendy tudo yoga 03:03 announcement arts banksy boy boy magia conexão dia mundial sem carro esporte evento gripe suína popporn popporn festival popular produção referência saudades saudável sossego teletransporte telma terremoto wikipedia ano novo ansiedade caminho casa triângulo clipe comunicação drummond dúvida educação figurinista fotografia gato larica livro menina não pode ovo poder presente puta falta de sacanagem receita sentimento sonho tenso virada cultural álcool adriana charoux aula before today blog coordenação de produção delícia desconectar para conectar dinheiro egotrip elke maravilha eu não quero voltar sozinho fato feedback filosofia baraa fofo ivan forneron katita 80 katita make lovely mar maísa moving planet museu da língua portuguesa photos por quê? porque portifolio projeção psicografia risos saudade sergio fahrer silêncio simetria sport susan boyle tattoo teatro mágico that's hot traços trilha (F) 9gag arte assume vivid astro focus (avaf) atuação bad banda uó banho bar.bar blogueiro boys bruno zanardo bêca bêca arruda cacete cartagena charoux chimarrão clarice clarice lispector colômbia combustíveis fósseis cores desespero e-mail economia ego emmanuel entrevista fetiche greve hot infantil ingredientes instituto C e A jum nakao linhas lucas corazza mailing mensagem mmm org organização palhaço party paulo leminski perdão primavera produção de figurino prostituição radio reclamação redes sociais satsang sk8 sri prem baba subprefeitura tiração de sarro toca raul tradição trip ASSEF ASSEF/SP SoundCloud acacio abreu de oliveira adalgisa morato advogado aganjú alan watts amir labaki andré cruz arena eugênio jusnet augusta avaf balada basta bebel gilberto bope brasill breja bullying butt cacetete caloi carlos saldanha carta da terra caveira censura charles baudelaire chá cinepro circo circo voador coisas de marcelle colombia confeitaria connected cosmópolis cowork coworking culinária curso database datarock decameron dia do rock direito doce dupla ebtg ellen lima energia escorpião estúdio bola estúdio fabricia miani fail faria fashion felipe dall'anese finanças floresta formação fox fox home entertainment brasil futon company gabriela brenman de azevedo galeria do rock geometric gráficos guto lacaz happy hour herbert viana hora ibirapuera idec jackson ricarte jardins jorge serrão joåo saraiva kangwaá lacuna filmes lançamento larmod latinha laura stankus leo cavallini levis br lila varo lions locomotiva lothar lothar charoux louise despont luciana nicolodi lunchbox magazine make mano mano chao maou maquiagem marcelona mariana cobra marione tomazoni masp medo mentira metrô militarismo mixwit mostra de arte pública mostraurbe máquina nextel nextu noite origami os mutantes oscar wilde ouvidoria paralapraca paris hilton parque paul alex thornton paul alexander thornton paulista pedro mendes pedro useche perdição piauí pinturas planetas plano de celular playmobil poem promoção psmp quixotes reajuste salarial reveillon revista rio - o filme rock sacanagem signo silicone simian mobile disco simpatia skate social media sopa squid studio sopa studio sp tarde telefone tennis thiago cagiano tom of finland trilha sonora tu universidade urbe vanessa ferras vestígios visíveis web wwf