20100106

CADA UM COLHE O QUE PLANTA

por Aron Belinky, 20/12/2009

Das muitas lições que vão aparecendo conforme assentam a poeira e as emoções levantadas pela CoP15, uma das mais evidentes é a confirmação do ditado que intitula este artigo.

Por exemplo, o caso do Sr. Lars Rasmussen, primeiro-ministro da Dinamarca, que protagonizou alguns dos mais deploráveis lances do espetacular fiasco em que terminou a conferência do clima em Copenhague, CoP15. Há ampla convicção que um dos elementos centrais para tal insucesso foi a postura autoritária e auto-centrada do responsável por presidir um evento dessa importância. Quem ignora as regras do jogo e os processos democráticos estabelecidos por uma comunidade, não pode esperar que este mesmo grupo endosse seus atos e decisões. Quem cultiva acordos em conchavos obscuros não irá colher o respaldo dos que duramente lavram consensos no campo aberto das Nações Unidas.

É nessa evidente morosidade e ineficácia dos processos da ONU que o presidente final da CoP15 procurou justificar sua postura. Para salvar as aparências, preferiu meter-se a montar um acordo rápido entre os atores principais, do que enfrentar o prenunciado vazio de conclusões em Copenhague. Afinal, era isso mesmo que poderia resultar dos dois longos anos de reuniões preparatórias, uma torturante coleção de conversas ocas entre negociadores sem real poder. A bem da verdade, lembre-se que Rasmussen até tentou adiar ou esvaziar a CoP15, avisando que dela não se podia esperar muito, dada a ineficácia do processo preparatório. Foi impedido pela pressão da ciência e da sociedade civil, alertas para o fato de que o clima não espera e o tempo não para: TicTacTicTac. Melhor cair logo na realidade, do que permanecer iludidos. 

Vemos aqui dois outros exemplos de plantio e colheita: o dos países-membros da ONU, e o da sociedade civil planetária. No que tange aos primeiros, o que plantaram foi um processo ineficaz, os tais dois anos de preparo, que pouco ou nada prepararam. Burocratas e diplomatas agiram como lavradores irresponsáveis, fingindo que aravam, quando apenas arranhavam a superfície dura de um enorme desafio. Pior fizeram os chefes de Estado e governo, seus pretensos líderes, que fingiam acreditar enquanto seus comandados fingiam que avançavam.

Pior ainda se de fato acreditavam na farsa, ou se nem sequer a ela prestavam atenção, surdos aos gritos da ciência e das precoces vítimas do clima, como se tudo ocorresse com a quietude das geleiras que derretem. Colheram retumbante fracasso. Desmoralização pública, gravada para a posteridade pelos milhões de registros e testemunhos dos dias da CoP15: as duas semanas em que diplomatas irresponsáveis tentaram consertar dois anos de incúria. Dos dois dias em que políticos acuados tentaram, madrugada adentro, resolver problemas que pouco antes desprezaram. Das últimas horas, em que os pseudo-líderes simplesmente fugiram da cena do crime, do plenário que ridiculamente varou a noite para, pelo menos, arrumar a bagunça.

Mas alguém teve boa colheita: as centenas de organizações da sociedade civil, de todos os matizes: ambientais, sociais, religiosas, sindicais, empresariais, profissionais, acadêmicas... Esse diversificado e meio caótico grupo descobriu-se unido como nunca. Articulado como jamais se viu, superando diferenças individuais em prol de um objetivo comum. O mundo não será mais o mesmo, após dezembro de 2009. E a razão para isso é o alerta que, graças a milhões de vozes, fez o tema das mudanças climáticas ser finalmente alçado ao status de emergência global, trazendo consigo as discussões sobre justiça social (agora climática) e o inexistente sistema de governança global. Mesmo subestimada pelo noticiário, todos sentem ser essa a força por trás dos fatos que chegam à superfície da grande imprensa. Lembrando Caetano Veloso, é a genteestrela, que se espanta à própria explosão. E não vai parar por aqui: está apenas no começo.

Concluindo, e fazendo devida homenagem aos cidadãos e cidadãs do mundo, lembro que houve algo de belo no reino da Dinamarca, como as 100.000 pessoas pacíficas, mas não passivas, marchando pelas ruas geladas no 12 de dezembro. É exceção que confirma a regra do plantio e colheita: mesmo plantando desorganização, desrespeito e brutalidade, os organizadores da CoP15 não colheram a previsível reação violenta. Grata surpresa!

Muitas sementes foram plantadas em Copenhague e no mundo todo. Cumpre agora a todos nós delas zelarmos delas com carinho e cuidado, em nome do merecido futuro que colheremos.

_
Aron Belinky (aron@ecopress.org.br), consultor especializado em sustentabilidade e
responsabilidade social, é coordenador executivo da campanha TicTacTicTac no Brasil.

No comments:

Post a Comment

extenda-se!

tag | labels

cultural 2012 humor flagrantes da vida real brasil arte brisa link tupiniquim homem música amor profundo tech brasileiro mulher relação agora sabedoria clássico alx hoera sexo vídeo natureza hype design dica são paulo piada agentegosta vida bizarrices gay história curiosidades hit loveland auto-ajuda de bolso atualidades alex hoera lyrics tempo gringo grana vergonha alheia 2011 desenho política preconceito 80s amizade moda INSIGHT animação eco somos nozes clichê nerd 420 governo alx LISTA sp exposição ... me gusta zeitgeist festa erva saúde love art filme sustentabilidade pmsp drinks poema poesia auto-promoção árvore animais ayahuasca celebridades cultura ritual bagaceirice imagem do dia motivacional photo violência slow food água fingindo naturalidade reciclagem tv geek paz índio família old's cool sex novidade criativo humano mundo teste palavra natural televisão 350 beck polícia tecnologia cvida drama religião sincronicidade #EuSouGay drogas 350.org carnaval cinema vintage acontece movie desenhos lenda lindo photoshop rehab texto homofobia luz polêmica sensibilização tendência trampo war artistas espírito futuro music índia acessibilidade anorexia belo contato nada se leva sensacional triângulos alex fake hiep hiep hoera achado crianças incrível passado planeta relax sol 11:11 ajuda alma chico xavier francisco cândido xavier praia viagem viajar arnaldo jabor ação bacana clima colaborativo curta daniel guarda desabafo ecologia lap to dance original pensamento prefeitura ronaldo show som utilidade verde viva yoga pela paz UMAPAZ climão meio ambiente rainbow spfw terra transexual transformação urbano amigos aquecimento global beijaflor colaboração colorido danger mistura urbana peculiar projeto social quiz raul reflexão rio de janeiro rotina socioambiental teatro trendy tudo yoga 03:03 announcement arts banksy boy boy magia conexão dia mundial sem carro esporte evento gripe suína popporn popporn festival popular produção referência saudades saudável sossego teletransporte telma terremoto wikipedia ano novo ansiedade caminho casa triângulo clipe comunicação drummond dúvida educação figurinista fotografia gato larica livro menina não pode ovo poder presente puta falta de sacanagem receita sentimento sonho tenso virada cultural álcool adriana charoux aula before today blog coordenação de produção delícia desconectar para conectar dinheiro egotrip elke maravilha eu não quero voltar sozinho fato feedback filosofia baraa fofo ivan forneron katita 80 katita make lovely mar maísa moving planet museu da língua portuguesa photos por quê? porque portifolio projeção psicografia risos saudade sergio fahrer silêncio simetria sport susan boyle tattoo teatro mágico that's hot traços trilha (F) 9gag arte assume vivid astro focus (avaf) atuação bad banda uó banho bar.bar blogueiro boys bruno zanardo bêca bêca arruda cacete cartagena charoux chimarrão clarice clarice lispector colômbia combustíveis fósseis cores desespero e-mail economia ego emmanuel entrevista fetiche greve hot infantil ingredientes instituto C e A jum nakao linhas lucas corazza mailing mensagem mmm org organização palhaço party paulo leminski perdão primavera produção de figurino prostituição radio reclamação redes sociais satsang sk8 sri prem baba subprefeitura tiração de sarro toca raul tradição trip ASSEF ASSEF/SP SoundCloud acacio abreu de oliveira adalgisa morato advogado aganjú alan watts amir labaki andré cruz arena eugênio jusnet augusta avaf balada basta bebel gilberto bope brasill breja bullying butt cacetete caloi carlos saldanha carta da terra caveira censura charles baudelaire chá cinepro circo circo voador coisas de marcelle colombia confeitaria connected cosmópolis cowork coworking culinária curso database datarock decameron dia do rock direito doce dupla ebtg ellen lima energia escorpião estúdio bola estúdio fabricia miani fail faria fashion felipe dall'anese finanças floresta formação fox fox home entertainment brasil futon company gabriela brenman de azevedo galeria do rock geometric gráficos guto lacaz happy hour herbert viana hora ibirapuera idec jackson ricarte jardins jorge serrão joåo saraiva kangwaá lacuna filmes lançamento larmod latinha laura stankus leo cavallini levis br lila varo lions locomotiva lothar lothar charoux louise despont luciana nicolodi lunchbox magazine make mano mano chao maou maquiagem marcelona mariana cobra marione tomazoni masp medo mentira metrô militarismo mixwit mostra de arte pública mostraurbe máquina nextel nextu noite origami os mutantes oscar wilde ouvidoria paralapraca paris hilton parque paul alex thornton paul alexander thornton paulista pedro mendes pedro useche perdição piauí pinturas planetas plano de celular playmobil poem promoção psmp quixotes reajuste salarial reveillon revista rio - o filme rock sacanagem signo silicone simian mobile disco simpatia skate social media sopa squid studio sopa studio sp tarde telefone tennis thiago cagiano tom of finland trilha sonora tu universidade urbe vanessa ferras vestígios visíveis web wwf